Blog do Betusko

LITERATURA, CONTOS, POEMAS E AFINS

Archive for setembro, 2011

Quase um poema

chove na madrugada quente coração e mente estão atentos sob a luz tênue do abajur os versos vão sendo destilados em temas insuflados  de nós esotéricos como em um rosário de contas de vidro cujas esferas perfeitas rutilantes e benfazejas rejeitam as asperezas da vida e acolhem apenas o justo e o perfeito aos protótipos [...]

Read the rest of this entry »

Baquelite queimado – Micro conto

                                              CHEIRO DE BAQUELITE QUEIMADO Assim que o galo cantava pela primeira vez, seu Jaime se levantava. Botava água na chaleira para passar o café. Acendia o rádio de válvulas e sintonizava no programa de moda de viola. Só então, limpava as gaiolas e tratava de seus canários. Reinava esta rotina há mais de vinte [...]

Read the rest of this entry »

Impreciso coração

Eu chovo, tu choves,  ela neblina pobre de mim, criatura insensata lavei os medos e os sentidos todos naquele aguaceiro sem fim deu dó ter esquecido os compassos daquele velho fado lisboeta pois que os dedos já não alcançavam a velocidade necessária ao bandolim enquanto o coração entristecido fazia de conta que ainda era Abril [...]

Read the rest of this entry »

A música da criação

som das batidas de um coração soam lembranças de velhos tambores tombam por terra conceitos antigos sobre homens, lutas e seus valores, do universo em formato de umbigo costurado por lendas mitológicas filosofias e religiões precedidas por evocações mágicas que sopram a sístole e  diástole, percursionistas dos corpos humanos entregues a um frenético ritmo da [...]

Read the rest of this entry »

Segunda divisão

a bola bate na trave o centroavante bate  a mão na cabeça o flash do fotógrafo bate na cara assustada do goleiro o juiz bate no cronômetro e ergue a mão para cima o coração do torcedor em desespero  bate e para, foi fulminante, o corpo do rapaz bate no alambrado e cai.

Read the rest of this entry »

Viuvez

antúrios, avencas e samambaias, ilustram a vida de Maria dependurada, envasada, prisioneira de um xaxim refém da solidão e da esperança o pequeno jardim acolhe a todos e não somente a Eva sem Adão, oculto sob o quintal do apartamento o resquício do Éden não presencia apenas lamentos e suspiros também contempla conversas filosóficas, névoas [...]

Read the rest of this entry »

É noite

É noite, os cães latem todos os cães, os amantes partem, todos eles se vão a lua quase morta de minguante anuncia que hoje é segunda-feira dia de apascentar o espírito de apalpar os calos do coração.   É noite, os anjos descem todos os anjos baixam e sob a batuta invisível tecem um pano [...]

Read the rest of this entry »

O pulsar do tempo

relógios quebrados não marcam o tempo apenas congelam a vida, suspendem a ação e a reação assim como um astrolábio poeticamente regulado nos conduz por mares nunca dantes imaginados, – nem por piratas ou pescadores de sonhos ainda mais por um alquimista que insista em converter seus cadinhos mágicos em vasos com flores de abril [...]

Read the rest of this entry »

348 porcos

Trezentos e quarenta e oito porcos acabaram de entrar na minha cabeça. É  porco como o quê, seu moço!  Entraram aos pares alguns, outros sorrateiros e solitários, dançando tango, sim, ao som de Piazolla. Alguns  se imiscuíram em bandos, deturpando as regras rígidas de Noé. Outros  adentraram em casais, com a imagem  em câmara lenta, [...]

Read the rest of this entry »

O piano de Thelonious Monk

As brancas e as negras são lascas mágicas de marfim a produzir sons inimagináveis, cujo eco puro e cristalino, escorregava pelas ruazinhas de uma New Orleans acanhada, mas não menos empolgante, berço do novo Jazz. Os negros dedos de Thelonious trançavam sonhos e ilusões na enfumaçada casa noturna onde os acordes dissonantes magnetizavam os ouvintes, [...]

Read the rest of this entry »
buy email lists