Blog do Betusko

LITERATURA, CONTOS, POEMAS E AFINS

Archive for setembro, 2011

Iniquidade

“chacina na Escola Municipal Tasso da Silveira RJ” sorrisos incandescentes sobrepõem-se à angústia torniqueteiam aflições retardam o tremor das pernas bocas escancaradas encobrem saudades fracionam turnos de solidão selam bolsas lacrimais a gargalhada ainda ecoa no pátio onde em fila indiana os doze apóstolos pequeninos aguardam ansiosos o retorno ao céu.

Read the rest of this entry »

Folhas mortas

As folhas mortas desenham um balé sob o redemoinho girando, girando na cadência de Éolo sonhando, sonhando na canção do vento. Com vários formatos e tons multicoloridos os dejetos da Primavera estão livres para brincar e como são leves, alcançam rapidamente as pesadas portas do céu e fazem a festa com os querubins sob o [...]

Read the rest of this entry »

Sobre símbolos e signos

Ideogramas vermelhos alinhados sobre a pele alva transmitem verdades orientais, transmutam vontades urgentes aplacam a fome dos olhos mas da alma ingênua, latinamente aventureira, não saciam os desejos nem repelem os desvios dos caminhos bifurcados salpicados de amor e sexo temperados com a magia do sal que brota das lágrimas ora com o sumo doce [...]

Read the rest of this entry »

O portão do juiz

Josevaldo chegou cedo ao sobrado do doutor  juiz. O homem falou que queria o serviço terminado até as cinco da tarde. A casa da Rua Harmonia, no bairro da Vila Madalena pertencia à mãe do doutor. Separado da esposa por incompatibilidade de gênios, seu magistrado voltou a morar na casa dos tempos de sua solteirice. [...]

Read the rest of this entry »

Adjetivos e substantivos

constelações de pensamentos insensatos sinalizam desejos inexplicáveis que, sem fazer cerimônia, adentram o coração dos poetas dos loucos e dos librianos como querendo inflar uma canção que brote do fundo de uma lata de óleo vazia esquecida ao pé de um cajueiro vergado sob o peso de seu fruto abundantemente maduro mas imprudentemente temporão deixado [...]

Read the rest of this entry »

Perdas e ganhos

Andar, correr, subir ladeiras, Abrir a boca e escancarar a garganta Para aparar as gotas gorduchas da chuva E fazer o coração reiniciar a nova viagem rumo ao sonho, Gritando em lá maior, com a aorta meio torta De tanto levar porrada da vida, de tanto tentar crer Que a esperança é a fé no [...]

Read the rest of this entry »

A Zé Rodrix

E agora, amigo Zé? Este caminho sem volta só nos causa revolta e dor esta passagem apressada viagem ao Oriente Eterno sem validar passaporte assim, feito gato fujão. E agora, irmão Zé? Cadê a chave da casa? Aquela do campo das flores onde os livros e os discos continuam a sua espera e a Esperança [...]

Read the rest of this entry »

Garça real

A graça da garça está no bico pico melancólico voo solidário visões mescladas de um único unicórnio solitário, perdido no mundo moderno onde o ovo e a gema não se toleram apenas se deixam fritar em tristes frigideiras enegrecidas carcomidas por décadas de vidas mal passadas nos botecos, sob batuques e baralhos vermelhos com os [...]

Read the rest of this entry »

Olhos fatais

Na tarde sanguinea do Farol da Barra contemplando as garças que pescam no mar meu coração oco vazio de paixões cansado da guerra refém das lembranças rasgado de dor insiste em bater na vã esperança que aquela baiana que vem requebrando ao som de Cayme Caetano e Afoxé me deixe fitar por quinze segundos seus [...]

Read the rest of this entry »

Inesperda filha

Apareceu do nada. Era uma quinta-feira chuvosa. Abri a porta e ela despejou na minha cara: _Meu nome é Rita, sou sua filha, amanhã faço aniversário, 21 anos… Fiquei confuso, não pude acreditar. Sim, tive um relacionamento com sua mãe nos anos 80… O que significava minha vida? Separado por duas vezes, um filho que [...]

Read the rest of this entry »
buy email lists