Blog do Betusko

LITERATURA, CONTOS, POEMAS E AFINS

Archive for setembro, 2011

Palavras e canções

No oco do cérebro forjam-se palavras tecidas com fios crus de pensamentos emocionais, palavras sementes semanticamente arrancadas uma a uma por neurônios agitados e depois despejadas na garganta para o cantor soltar a voz e espremer os vocábulos até extrair o sumo que volta a preencher o oco do cérebro, assim nascem as canções.

Read the rest of this entry »

Inverno com Dante

Vago como um cometa errante em noites frias e enfumaçadas por entre vielas escuras, onde meu corpo é arrastado refém de correnteza fugaz que atrai alucinações. Emudecido, caminho ao léu, são muitos, muitos vácuos a percorrer em solidão, em cada bar, uma certeza: o pesadelo continua atroz, corrosivo, implacável arrancando-me um grito bestial do fundo [...]

Read the rest of this entry »

Sob tua essência

No derradeiro segundo um sol mortiço caía sobre a vida, matéria-prima da tua existência, em meros respingos de mansitude no rusca-rusca incandescível das tardes urbanas de onde saem devarinho as mariposas chinesas para esvoaçar ao redor de tua cabeça de porcelana tão frágil, tão rara…

Read the rest of this entry »

Catarse

Gritos agudos na gruta esvaziam o vão da alma valorizam a volatilidade febril das amarras e das correntes rasgando os ritos de passagem rindo dos ricos detalhes coloridos captados quadro a quadro por doloridos olhos inchados cujas pálpebras abrem e fecham ao comando das luzes estroboscopicamente negras e do vai e vem das víboras vibrantes [...]

Read the rest of this entry »

Fuga

Quero umas asas bem grandes destas que só os anjos têm para voar sobre os Andes para fugir para o além para deixar as mazelas das quais eu caí refém sem que me sobrem sequelas sempre que eu diga amém!

Read the rest of this entry »

Delírios barrocos

hoje trago o coração espetado no palito cansei de ouvir canções tão vagas, insones já sacrifiquei a quinta-feira, agora só falta criar coragem para me atirar da pedra branca, nas asas daquela delta ser tão louco, tão barroco tentando tramar uma rosa cadente que enfiasse um espinho nos clássicos, em todos eles, esfarrapando assim a [...]

Read the rest of this entry »

Ninguém muda ninguém

A maior ilusão que existe é a idéia de que se pode mudar alguém. Frases como: “ Quando ele casar comigo, ponho ele no jeito” ou “ Com o tempo, eu como chefe, domo  a crista desta funcionária rebelde”, ledo engano. As pessoas são o que são e somente elas próprias podem provocar mudanças em [...]

Read the rest of this entry »

Despido de intenções

trago agora a alma nua sem anseios ou ansiedades também sou humilde portador de um coração aliviado que abandonou os desejos e dirige os pés descalços, andarilhos de caminhos intrilháveis na sua senda costumeira em busca do indizível vazias de propósitos as mãos foram mantidas desde que largaram as pedras sob o último combate uma [...]

Read the rest of this entry »

Divertimento em mi menor

Vibra a corda mi do violoncelo prenúncio da mágica viagem lembranças de folhas mortas de outono resvaladas na janela do expresso noturno rumo aos pés dos Pirineus onde um trio de cordas evocava Mozart no pequeno palco do vagão bar enquanto nossos corações eram guarnecidos com doses de um vigoroso Bordeaux e a certeza de [...]

Read the rest of this entry »

É natal?

No ventre da nova cidade brincavam os sapos e as serpentes cujas bocas malpassadas e rotas lançavam injúrias e chispadas. Dançavam com olhos de fogo os sapos e as serpentes, cuspiam nos olhos do céu pedaços de fim de ano, ano longo, ano louco ano sem estribos, sem tributos, ano arrastado, puxado a dentes cortado [...]

Read the rest of this entry »
buy email lists