Blog do Betusko

LITERATURA, CONTOS, POEMAS E AFINS

Archive for 2012

Germinação

  Semente caída no mato do ramo ao bico de um tiê-sangue aponta  evidências puras das potencialidades da vida do anonimo trabalho das aves do reflorestamento natural do brilho da lua nas frestas da mata a zelar pela vida latente latejante no grão pequenino solto na terra húmida aparentemente abandonado cumprindo com humildade o seu [...]

Read the rest of this entry »

Providência

A nuvem madura deixa escorrer lágrimas cedendo á súplica do solo seco.    A semente  sorri agradecida.

Read the rest of this entry »

Dançando sobre um 3X4

Cansado de ver o 3X4 dela  na minha carteira, rasguei-o em cem pedaços e pisoteei suas lembranças. Quem sabe assim eu conseguiria lhe esquecer, borrar do meu coração sua figura inesquecível seus olhos  azuis que derretiam desconfianças, seus cabelos de ouro que me deixavam hipnotizado, seu sorriso incandescente, indecente mesmo, com aquela pintinha marrom sobre [...]

Read the rest of this entry »

Aleph

    Grãos de chuva fina deslizando sob o vidro da janela libertam o feixe de pensamentos que a tarde fria insistia em obstruir receosa em perder o domínio de um momento melancólico   Como uma cunha em madeira de lei encharcada pouco a pouco com água do mar a quietude do momento é assaltada [...]

Read the rest of this entry »

Haicai

xícara de chá  sob o apito da chaleira    entra em puro êxtase  

Read the rest of this entry »

Desvelando segredos

Quando vi seus olhos perdidos na luz da lua percebi que éramos feitos de pedaços de sombra e luz, pressenti seus devaneios seus suspiros contidos perscrutei em seu semblante seu jeito de dizer não e sim permeei seus sentimentos vasculhei as frestas de seu ser, enquanto a cortina vermelha dançava de maneira envolvente embalada pela [...]

Read the rest of this entry »

Fruto vivo

      Natureza quase morta ganha vida no pincel de um Van Gog iluminado porém, de minha paleta acanhada salta apenas o improvável: um par de seios indecifráveis aflitos sob a luz mortiça da tarde que desenha sombras sobre a sacada                                                                daquele velho sobrado de Olinda, sempre disposto a um carnaval.     [...]

Read the rest of this entry »
buy email lists