Blog do Betusko

LITERATURA, CONTOS, POEMAS E AFINS

Archive for the 'POEMAS' Category

Delírios barrocos

hoje trago o coração espetado no palito cansei de ouvir canções tão vagas, insones já sacrifiquei a quinta-feira, agora só falta criar coragem para me atirar da pedra branca, nas asas daquela delta ser tão louco, tão barroco tentando tramar uma rosa cadente que enfiasse um espinho nos clássicos, em todos eles, esfarrapando assim a [...]

Read the rest of this entry »

Despido de intenções

trago agora a alma nua sem anseios ou ansiedades também sou humilde portador de um coração aliviado que abandonou os desejos e dirige os pés descalços, andarilhos de caminhos intrilháveis na sua senda costumeira em busca do indizível vazias de propósitos as mãos foram mantidas desde que largaram as pedras sob o último combate uma [...]

Read the rest of this entry »

Divertimento em mi menor

Vibra a corda mi do violoncelo prenúncio da mágica viagem lembranças de folhas mortas de outono resvaladas na janela do expresso noturno rumo aos pés dos Pirineus onde um trio de cordas evocava Mozart no pequeno palco do vagão bar enquanto nossos corações eram guarnecidos com doses de um vigoroso Bordeaux e a certeza de [...]

Read the rest of this entry »

É natal?

No ventre da nova cidade brincavam os sapos e as serpentes cujas bocas malpassadas e rotas lançavam injúrias e chispadas. Dançavam com olhos de fogo os sapos e as serpentes, cuspiam nos olhos do céu pedaços de fim de ano, ano longo, ano louco ano sem estribos, sem tributos, ano arrastado, puxado a dentes cortado [...]

Read the rest of this entry »

Sábados com submarinos

Um submarino amarelo na capa do velho LP em meio a farelo de milho e nódoas de chocolate contornadas a caneta hidrocor. são memórias que flutuam, flocos de algodão ao vento, flâmulas de um quarteto inesquecível botons aplicados no pinguim da geladeira branco e preto, verde e amarelo plantas aquáticas dançando ao som de sargento [...]

Read the rest of this entry »

Saudade em Tom maior

Hoje acordei macambúzio, com saudades de Vinícius Tom Jobim, do mar de búzios sentindo falta do chope gelado do barquinho, do violão da seresta á capela do encontro marcado aos sábados na sala do poeta de riso largo e franco das madrugadas no beco das garrafas com seus porres memoráveis ao som da trilha sonora [...]

Read the rest of this entry »

Rastros da noite

Caminhar sobre vozes pegajosas tropeçar em horas lentas esmorecer na sombra da preguiça até soltar um sonífero bocejo ante a crua espera da luz da lua e aplacar o longo desejo de ver trincar o céu em milhões de estrelas exuberantes, singelas que descem em delírio como regidas pelo vento e lavam as cabeças, escorrem [...]

Read the rest of this entry »

Das flores

Sementes de orquídeas violetas caídas em solo fértil trazidas em cápsulas vivas no bico de um João-de-barro, perseverante e mítica criatura, provocam o milagre da germinação e fazem brotar sonhos em botânicos e sagrados jardineiros na busca da reinvenção do mundo a transformar-se, sob o cotidiano febril, em um imenso viveiro de plantas, quem sabe, [...]

Read the rest of this entry »

Carpe diem

lagartos largados espreitam teu caminhar canários canoros tuitam teu nome ninguém duvida da raridade do momento nem a claridade da tardinha mortiça que nos convida a acompanhar teu argumento como atentos seguidores de uma pitonisa sob a sombra de um coqueiro gigante: “não sou água nem sou sal, somente sou semente viva!” prosaicas palavras lançadas [...]

Read the rest of this entry »

Bodas de sangue

vestida de noiva trajada de angústia o corpo calava o rosto fingia um falso sorriso do branco tecido luzia enquanto a dor da mentira fincava agulhas na alma debalde cerzia os pedaços de um coração aflito paralisado de medo diante da branca capela por onde adentrou pesarosa rumo ao altar decorado com seus passos soturnos [...]

Read the rest of this entry »
buy email lists