Blog do Betusko

LITERATURA, CONTOS, POEMAS E AFINS

O portão do juiz

Written By: Roberto - set• 04•11

Josevaldo chegou cedo ao sobrado do doutor  juiz. O homem falou que queria o serviço terminado até as cinco da tarde. A casa da Rua Harmonia, no bairro da Vila Madalena pertencia à mãe do doutor. Separado da esposa por incompatibilidade de gênios, seu magistrado voltou a morar na casa dos tempos de sua solteirice.

- Mãe, não se preocupe que vou dar uma geral neste museu. Disse o filho á mãe bem idosa

 Resolveu por começar trocando o portão de ferro da entrada da garagem. Aqui entra o Josevaldo na história, pela porta da frente é claro.

 - Josevaldo, meu filho, quero este portão velho no chão e o novo instalado para ontem, viu? Disse o juiz imitando o sotaque de nordestino, enquanto apertava os óculos contra os olhos miudinhos.

Como o misto de pedreiro, serralheiro e azulejista tinha cinco bocas para alimentar, morando bem para lá do bairro de Guaianases, na periferia de São Paulo, não contou conversa.

- Deixa comigo doutor juiz, é dois palito e o portão novo tá aprumado!

 Pois é, o juiz do Fórum da Barra Funda estava com seu Pajero Full Zero quilômetro em frente à casa, aguardando o término do serviço. Contava que até a noitinha já poderia guardar seu valioso veículo na garagem, porque na rua não podia dormir, não. Sabe como é, apesar do alarme instalado, existem pessoas que só por maldade riscam a pintura com um prego, caco de vidro ou coisa que o valha.

- Cruz credo! Seu doutor até se arrepiava ao pensar nestas coisas… Pintura perolizada, o bicho na oficina sofrendo reparo… Arre égua!

 Josevaldo largou a sacola na garagem e não se fez de rogado, sentou logo a pua no trabalho. Era sábado e com o dia beirando aos trinta graus de temperatura, o pedreiro suava em bicas.

Para arrancar o portão antigo gastou quase três horas. Não contava com a dureza do concreto velho nas colunas. E dá-lhe marretada atrás de marretada! Tac! Tec! Toc!

Vez por outra, seu doutor botava o cabeção para fora da janela e arreliava:

- Olha, olha, Josevaldo, se você não trabalhar direito eu não pago, viu?

Outras vezes a ameaça era pior:

- Se não ficar pronto, você não vai mais construir meu sítio novo lá em Santa Isabel, falei?”

Puxa vida, isto era tudo o que o pedreiro não queria. Contava com esta obra para ajeitar a vida do filho mais novo, o Rosevaldo, que nasceu com uma deformidade genética no braço direito e já estava passando do prazo para fazer a cirurgia corretiva. Era um dinheirinho imprescindível, logo agora que estava uma paradeira geral por causa da crise…

Josevaldo enquanto ouvia os impropérios de seu doutor, levantava a cabeça e fazia o nome da cruz.

A tarde avançou rapidamente. Nem deu tempo de Josevaldo almoçar. Suas pernas tremiam um pouco, mas, como ele dizia “vamo que vamo!”

 - Diacho, eu devia de ter trazido o Toinho para me ajudar, agora tô lascado! Resmungava o operário.

Seis da tarde o magistrado irrompeu irritadíssimo no “canteiro de obras” para fustigar mais uma vez nosso humilde obreiro

- Porra, criatura! Você vai me deixar na mão! Olha a chuva que vem por aí! Gritava o patrão, com as mãos sujas de pasta de amendoim que escorriam do meio do pão francês mordiscado com prazer. Nem bem terminou de vituperar, os pingos grossos começaram a enlamear a calçada.

-`Tá que o pariu! Gemeu Josevaldo já entrando em desespero.

-  São 8 horas da noite e eu ainda estou aqui. Ai, meu padim padre Cícero!

 A chuva forte não dera trégua. Mesmo coberto com uma grossa capa plástica, os olhos embaçados pela água e pela fome não deixavam o pedreiro terminar o serviço. E tal qual o mitológico Prometeu acorrentado, o pobre homem era torturado sem perdão.

Após terminar de comer a famosa bacalhoada de sua mãe, seu doutor nem palitou os dentes e já foi crescendo para cima do pedreiro com carga total:

- Cacete, seu porra! Anda com este portão que eu tenho que guardar meu carro logo. Já são dez horas da noite e a rua está cheio de nóias. Se triscarem no meu Pajero você está fodido, entendeu, f-o-d-i-d-o!”

 Agora a chuva diminuiu, quase parou, mas o corpo de Josevaldo já não respondia direito aos seus comandos. Faltava apenas encaixar o novo portão nos pinos, mas qual o quê! As mãos trêmulas não ofereciam a firmeza necessária.

 Seu doutor veio pela última vez maltratar o infeliz obreiro. Desta feita nosso herói já não atinava com as idéias. Ele observava atônito a bocarra de seu doutor que abria e fechava emitindo um rosnado a  emplastar de sofrimento o ar ainda quente. Josevaldo pensava nos filhinhos, pensava na mulher que o estava esperando, pensava na falta de crédito do aparelho celular, pensava no boteco da esquina de sua casa, os amigos jogando sinuca… Eis que o portão novo, escorrega das mãos do pedreiro e cai por cima de seus dois pés, esmagando os metatarsos e as falanges de uma maneira bestial. Daí por diante, os sentidos se esvaíram e o nosso super-homem tomba desmaiado. O vizinho da casa em frente vem ver o que acontece. A sirene da ambulância afasta os veículos dos jovens de classe alta que produzem um tráfego infernal no sábado á noite.

 Dizem que Josevaldo deu sorte na Santa Casa de Misericórdia e entrou logo para o centro cirúrgico.

 Meia noite seu doutor toca a campainha do vizinho ao lado que jogava cartas na sala com seus amigos.

- Vizinho – era assim que ele chamava a todos da vizinhança -, será que posso guardar meu carro na sua garagem por esta noite?

- Ora, não tem problema, dr. Paulo, minha mulher está para o Guarujá e o meu mais velho está em Ibiuna com a namorada, tem duas vagas, fique á vontade!

 Finalmente, seu doutor chama o vigia da rua, pede a ele para encostar o portão no vão da garagem e diz, estendendo-lhe um panetone que sobrara das festas de fim de ano:

- Dá uma reforçada na vigilância para mim, tá bom?

_Ô, chefia, não tem de quê, deixa comigo! Vou ficar de olho. Na sua casa ninguém se mete a besta, não!

_ Obrigado Nelsinho, agora vou dormir que estou só o pó da rabiola. Boa noite!

_ Boa noite, dr. Paulo.

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 feed. You can leave a response, or trackback from your own site.

5 Comments

  1. Ronilson Andrade Almeida disse:

    Muito obrigado mano pelo convite. Esta muito legal este seu blog. Bj e um bom final de semana

  2. Marcos Cesar Luchini disse:

    Gostei muito do Blog. Um forte TFA. Luchini

  3. Jose C Higueras disse:

    Como sempre; Sua veia literária e a sagacidade invulgar para contador de historias esta evidente neste conto
    Abraço e para e parabéns
    Higueras

  4. Ulysses Baía disse:

    Mano, Boa história! Parabéns pelo blog.

    TFA

    Ulysses

  5. Gerson Correia disse:

    A subserviência é um comportamento asqueroso. Vamos estabelecer limites em nossas atitudes. Dizer não, é apenas uma forma democrática de manifestar sua posição. Não e Sim, representam uma dualidade, portanto, são verdades opostas!
    Parabéns, pois permitiu uma reflexão dos comportamentos apresentados.

Deixe uma resposta para Ulysses Baía Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

buy email lists